Fichamento Escolas da Administração – Contingencial

Conceito

  • A estrutura da organização e seu funcionamento são dependentes da interface com o ambiente

Estrutura

  • Estrutura organizacional: desenho organizacional, forma que a organização adume para integrar seus recursos
  • Estratégia organizacional: plano global de alocação de recursos para atender às demandas do ambiente
  • Quatro fases da organização segundo Chandler:
  • Acumulação de recursos
  • Racionalização de uso dos recursos
  • Continuação do crescimento
  • Racionalização do uso de recursos em expansão
  • Dois tipos de organizações segundo Burns e Stalker:
  • Mecanísticas: estrutura burocrática; detalhado divisão do trabalho; especialização; centralização; hierarquia rígida; comando único; rígido controle; interação vertical; aplitude estreita; regras e procedimentos formais; seguem os princípios universais da Teoria Clássica
  • Orgânicas: estrutura flexível; pouca divisão do trabalho; cargos continuamente alterados; descentralização e delegação; conhecimento da organização como um todo; hierarquia flexível; interação lateral; amplitude larga; comunicações informais; seguem princípios de relacionamento humano da Teoria das relações humanas
  • Pesquisa de Lawrence e Lorsh sobre o ambiente: definiram o conceito de contingência, defende que à organização sobrevive de acordo com a capacidade de diferenciação e integração como resposta às exigências do ambiente:
  • Diferenciação: subsistemas organizacionais (departamentos) desempenham tarefas especializadas e reagem às partes do ambiente que são relevantes para suas tarefas especializadas
  • Integração: processo oposto a diferenciação, processo gerado por pressões do ambiente para obtenção de unidade de esforço e coordenação entre vários departamentos
  • Pesquisa de Joan Woodward sobre tecnologia: pesquisa sobre a correlação entre o uso de princípios das teorias administrativas e o sucesso organização de acordo pela tecnologia aplicada no negócio:
  • Produção unitária ou oficina: produção por unidades ou pequenas quantidades, cada produto é alterado a medida em que é feito
  • Produção em massa: produção em grande quantidades, em linhas de montagem ou por operação de máquinas em linhas de produção ou montagem padronizadas
  • Produção em processo ou automatizada: processamento contínuo que poucos operários monitoram o processo total ou parcialmente automático de produção com participação humana mínima
  • Conclusões de Woodward:
  • O desenho organizacional é afetado pela tecnologia usada pela organização
  • Há forte correlação entre estrutura organizacional e previsibilidade das técnicas de produção 
  • Organizações com operações estáveis necessitam de estrutura diferente das organizações com tecnologia mutável
  • Sempre há predomínio de uma função na empresa
  • Ambiente: contexto que envolve externamente à organização (sistema), situação que a organização está inserida. Características da interação da organização com o ambiente
  • Mapeamento ambiental: à organização precisa mapear o seu espaço ambiental
  • Seleção ambiental: apenas parte das variáveis ambientais participa da experiência da organização, dada a incapacidade de compreensão do ambiente em sua totalidade
  • Percepção ambiental: uma construção de conjunto de informações selecionadas e estruturaras em função da experiência organizacional
  • Consonância: presunções da organização sobre o ambiente são confirmadas na prática é no cotidiano, se houver dissonância à organização busca sanar essa situação em busca de um equilíbrio
  • Desdobramento do ambiente: dois extratos do ambiente, ambiente geral e ambiente tarefa, para facilitar a análise do ambiente
  • Ambiente geral (macroambiente): comum a todas as organizações, afeta direta e indiretamente todas as organizações de maneira genérica, condições comuns (elementos):
  • Tecnológicas
  • Legais
  • Políticas
  • Econômicas
  • Demográficas
  • Ecológicas
  • Culturais
  • Ambiente tarefa (macroambiente): próximo é imediato a cada organização, constitui um segmento do ambiente geral do qual a organização extrai suas entradas e deposita suas saídas, ou seja ambiente de operações, elementos:
  • Fornecedores de entrada
  • Cliente ou usuário
  • Concorrentes
  • Entidades reguladoras
  • Tipologia de ambientes
  • Quanto a estrutura: homogêneo, heterogêneo
  • Quanto a dinâmica: estável, instável
  • Tecnologia: para administração é algo que se desenvolve por meio de conhecimento acumulado e desenvolvido sobre a execução das tarefas (know-how), para teoria contingêncial é uma variável independente que influencia as características organizacionais
  • Tecnologia como variável ambiental: é o componente do meio-ambiente
  • Tecnologia como variável organizacional: é o componente organizacional, incorporada, que influenciar fortemente organização e seu ambiente de tarefa
  • Tipologias para classificação de tecnologia:
  • Tipologia de Thompson: classifica a tecnologia conforme o seu arranjo dentro da organização:
  • Tecnologia de elos em sequência: baseada na interdependência serial das tarefas necessárias para completar um produto
  • Tecnologia mediadora: realizam a ligação entre clientes que são desejam ser interdependentes
  • Tecnologia intensiva: convergência de várias habilidades especializações sobre único cliente
  • Dois tipos básicos de tecnologia Segundo Thompson e Bates
  • Tecnologia flexível: extensão em que as máquinas, o conhecimento técnico e as matérias primas podem ser utilizados para outros produtos ou serviços diferentes
  • Tecnologia fixa: não permite utilização em outros produtos ou serviços, flexível e utilizada para um único fim
  • Dois tipos de produtos:
  • Produto concreto: pode ser descrito com precisão, identificado com a especificidade, medido e avaliado
  • Produto abstrato: não permite descrição precisa nem identificação e especificação
  • Quatro tipos de organização com base no tipo de tecnologia e produto:
  • Tecnologia fixa e produto concreto: as possibilidades de mudança tecnológica são pequenas ou difíceis
  • Tecnologia fixa e produto abstrato: pequena margem para mudança na tecnologia
  • Tecnologia flexível e produto concreto: organização pode fazer, com relativa facilidade, mudanças para um produto novo com diferentes meios de adaptação das máquinas, equipamentos, técnicas, conhecimentos
  • Tecnologia flexível e produto abstrato: organizações com grande adaptabilidade ao meu ambiente
  • Impacto da tecnologia: tecnologia sobre organização é enorme, características:
  • A tecnologia determina a estrutura games acional e o comportamento organizacional (imperativo tecnológico).
  • A tecnologia tornou-se sinônimo de eficiência. 
  • A tecnologiafaz os administradores melhorar em cada vez mais a eficácia e a eficiência
  • Níveis organizacionais: o ambiente impõe desafios externos e quanto a tecnologia impõe desafios internos organização, desafios as organizações diferentes sendo assim três níveis organizacionais:
  • Nível institucional estratégico: nível mais elevado composto por diretores, proprietários ou acionistas e dos altos executivos; É o nível onde as decisões são tomadas, objetivos e estratégias são tomadas.
  • Nível intermediário, tático ou gerencial: entre os níveis institucional e operacional, cuida da articulação interna entre ambos; atua na escolha, captação, distribuição e colocação dos recursos.
  • Nivel operacional ou técnico: resolução de problemas de execução eficiente de tarefas e operações, comporta instalações físicas, máquinas, equipamentos, linhas de montagem, escritórios , balcões de atendimento.
  • Arranjo organizacional: estrutura e o comportamento organizacionais são contingentes devido a:
  • Coações inerentes às tecnologias em ambiente de tarefa
  • Reações organizacionais para minimizar contingências
  • Desenho organizacional: retrata configuração estrutural da organização e implica um arranjo dos órgãos dentro da estrutura no sentido de aumentar eficiência e eficácia organizacional. 
  • Desenho organizacional e ambiente: para a teoria contingencial o desenho deve ser função do ambiente e depende da identificação das seguintes variáveis:
  • Entradas. 
  • Tecnologias. 
  • Tarefas ou funções. 
  • Estruturas. 
  • Saídas com resultados
  • Teoria contingencial trouxe novas abordagens em relação ao desenho organizacional:
  • Adhocracia: estrutura flexível capaz de moldar-se continua rapidamente às condições ambientais em mutação
  • Estrutura matricial (matriz ou grade): combina as formas de departamentalização funcional com a de produto ou projeto, ou seja, é uma estrutura mista, híbrida.
  • Organização por equipes: equipes multifuncionais, participativas, com poder de decisão, geralmente são autônomas e autogeridas, pode ser dos tipos: funcional cruzada ou permanentes.
  • Abordagem em redes (redes dinâmicas): a organização desagrega suas funções tradicionais e as transfere para empresas ou unidades separadas as quais são interligados por meio de uma pequena organização coordenadora, que passa constituir o núcleo central
  • Organizações virtuais: alianças de competências essenciais para atender determinada demanda ou explorar oportunidades específicas
  • Homem complexo: homem como um sistema complexo de valores, percepções, características pessoais e necessidades, características
  • homem é um ser transcional
  • homem tem um comportamento dirigido para objetivos
  • sistemas individuais não são estáticos, mas em desenvolvimento contínuo
  • Modelos contingências de motivação: reconhecem as diferenças individuais em relação as diferentes situações em que estão envolvidos
  • Modelo de Vroom: motivação como um processo que orienta opções de comportamento para alcançar um resultado final (objetivos individuais) por meio de resultados intermediários , ou seja, avalia a motivação o em função do nível de produtividade baseado em três forças básicas para cada indivíduo:
  • expectativas: objetivos individuais sobre dinheiro, aceitação social, reconhecimento
  • recompensas: relação entre produtividade e alcance de objetivos individuais
  • relação entre expectativas e recompensas: capacidade percebida de aumentar a produtividade para satisfazer suas expectativas com as recompensas
  • Modelo de Lawer: trabalho a partir do modelo de Vroom e chegou as seguintes conclusões com relação ao dinheiro:
  • as pessoas desejam o dinheiro porque permite a satisfação de necessidades fisiológicas e de segurança, sociais, de estima e autorrealização
  • as pessoas creem que a obtenção do dinheiro (resultado final) depende do desempenho (resultado intermediário) por isso se dedicam ao desempenho
  • Modelo de impulsos motivacionais: com base em quatro classes de impulsos básicos que dirigem o comportamento humano:
  • Impulso de adquirir: possuir, ter, ganhar, conquistar, relacionados a necessidades psicológicas
  • Impulso de formar laços: amizade, relacionamentos, aceitação social, reconhecimento, vida social e confiança, relacionado a necessidades sociais
  • Impulso de compreender: conhecimento, habilidades, competências, contribuição, relacionado a necessidades de autorrealização
  • Impulso de defender: segurança, proteção, garantia, equidade, justiça, relacionado a necessidades de segurança
  • Existem 4 alavancas organizacionais para atuar nos impulsos: sistema de premiação e recompensas, cultura organizacional, desenho do trabalho, gestão do desempenho
  • Clima organizacional: qualidade ou propriedade do ambiente organizacional percebida e experimentada pelos participantes da organização; o clima influencia o comportamento das pessoas; é o quadro mais amplo da influência ambiental sobre a motivação, dimensões:
  • Estrutura organizacional, Responsabilidade, Riscos, Recompensas, Calor e apoio, Conflito
  • Teoria contingencial de liderança: liderança precisa ser suficientemente flexível e adaptável às circunstâncias e situações, ou seja, é considerada uma função de inúmeras variáveis. O líder deve ler e interpretar cada situação para definir o estilo mais adequado a seguir para alcançar objetivos e corresponder às expectativas
  • Modelo de Fiedler: não existe um único estilo de liderança para qualquer situação, pois os estilos são contingenciais, 3 dimensões situacionais que influenciam a liderança eficaz: relações líder-membros, estrutura de tarefa e poder da posição do líder. Além disso o líder pode apresentar 2 orientações: para relações humanas, para tarefa.
  • Outros modelos de liderança: existem outros modelos de liderança, a teoria contingencia apresenta aspectos e desafios:
  • Aspectos:
  • Comportamento e relacionamentos do líder.
  • Visão e leitura da situação e direcionamento estrateg1co.
  • Comunicação e compartilhamento
  • Valores e cultura.
  • Motivação e empowerment.
  • Criação e desenvolvimento de equipes.
  • Foco em metas e resultados.
  • Paixão, consistência e capacidade cognitiva.
  • Principais desafios da liderança:
  • O que o líder faz e o que os componentes esperam
  • Como o líder modela seu caminho
  • Como inspirar uma visão
  • Como desafiar o processo
  • Como habilitar os outros a agir
  • Estratégia organizacional: comportamento global e contingente da organização que busca compatibilização das condições internas às condições externas (ambiente), segundo a teoria contingencial. Abordagens:
  • Escola ambiental: formulação estratégia funciona como um processo reativo às forças ambientais, pois visualização o ambiente como ator e não fator e a organização como elemento passivo que reage a um ambiente que estabelece as condições do jogo.
  • Escola do design (desenho estratégico ou abordagem de adequação): processo deliberado e consciente, sob responsabilidade do executivo principal, de concepção estratégica busca compatibilizar aspectos internos da organização e aspectos externos do ambiente, geralmente se utiliza uma matriz SWOT
  • Escola do posicionamento, modelo do Boston Consulting Group – BCG: modelo de posicionamento estratégico com base no portifólio de produtos com diferentes taxas de crescimento e participação no mercado
  • Escola de posicionamento, modelo de Porter de análise competitiva: estratégia de negócios com base na estrutura do mercado (indústria) relaciona 3 estratégias genéricas com base nas 5 forças do mercado (ambiente)
  • 5 forças: ameaça de novos entrantes, poder de barganha dos fornecedores, poder de barganha dos clientes, ameaça de produtos substitutos, intensidade da rivalidade entre organizações concorrentes
  • 3 estratégias genéricas: liderança em custo, diferenciação, foco.

Principais autores

  • Chandler,
  • Burns e Stalker
  • Woodward e Lawrence
  • Lorsch

Analise crítica

  1. Relativismo em administração
  2. Bipolaridade contínua
  3. Ênfase no ambiente
  4. Ênfase na tecnologia
  5. Compatibilidade entre abordagens de sistema fechado e aberto
  6. Caráter eclético e integrativo

Fichamento Escolas da Administração – Sistêmica

Conceito

  • Ramo da Teoria Geral de Sistemas (TGS), aplica teorias e formulações da TGS nas organizações

Estrutura

  • Sistema: conjunto de elementos interdependentes e interagentes que combinados formam um todo organizado (unitário), características:
  • Emergente sistêmico: cada sistema possui características e propriedades distintas dos seus elementos e de outros sistemas
  • Propósito: todo sistema tem um objetivo/finalidade a alcançar.
  • Globalismo (totalidade): alteração em um elemento produz alteração e uma resposta/ajustamento de todo o sistema, gerando um fenômeno que pode ser a entropia ou a homeostasia.
  • Relacionado a: conectividade, integração, totalidade.
  • Elementos do sistema: principais conceitos relacionados com sistemas:
  • Entradas (input): insumos que o sistema recebe do ambiente para operar, podem ser: informação, energia e materiais
  • Saídas (output): resultado final da operação de um sistema
  • Caixa preta: sistema sem interação com o exterior, o qual seus elementos não podem ser desvendados
  • Processamento (processador, transformador, throughput): mecanismo de conversão de entradas em saídas
  • Retroação (feedback): parte da energia de saída do sistema retorna à entrada do mesmo sistema, é, também, um subsistema de comunicação de retorno proporcionado pela saída do sistema (comparação da saída com padrão esperado), sinônimos, servomecanismo, retroalimentação, realimentação, reinformação, alimentação de retorno. Pode ser positiva ou negativa.
  • Ambiente: meio que envolve externamente o sistema
  • Homeostasia: equilíbrio dinâmico obtido pela autorregulação, ou seja autocontrole, por intermédio da retroação.
  • Informação: conhecimento disponível para uso imediato, que reduz a incerteza; conceitos relacionados, informação, dado e comunicação
  • Dado: registro sobre um evento ou ocorrência
  • Informação: conjunto de dados com significado
  • Comunicação: transmissão de informação a destinatário (um ou mais) que a compreende, a informação transmitida mas não recebida não é comunicação
  • Tipos de sistemas: existem várias tipologias, às principais às relacionadas à constituição e à natureza dos sistemas
  • Quanto à constituição:
  • Físicos (concretos, hardware): compostos de equipamentos, maquinaria, objetos e coisas reais que podem ser descritos em termos quantitativos de desempenho
  • Abstratos (conceituais, software): compostos de conceitos, filosofias, planos, hipóteses e ideias.
  • Quanto à natureza:
  • Fechados: sem intercâmbio com o meio-ambiente
  • Abertos: com intercâmbio com o meio-ambiente
  • Características da organizações como sistemas abertos:
  • Comportamento probabilístico e não determinístico 
  • Organizações como parte de uma sociedade maior (composta de partes menores)
  • Interdependência das partes
  • Homeostase ou estado firme
  • Fronteiras ou limites
  • Morfogênese
  • Resiliência 
  • Modelos de organização segundo a teoria de sistemas
  • Modelo de Schein, propõe os seguintes aspectos sobre as organizações:
  • Interação com ambiente
  • Sistema com objetivos e funções múltiplos
  • Conjunto de subsistemas em interação múltipla
  • Subsistemas com são multuamente dependentes uma mudança em um deles afetam o comportamento dos outros
  • Existem em um ambiente dinâmico que compreende outros sistemas
  • O ambiente impõe demandas à organização
  • Dificuldade em definir as fronteiras organizacionais pelos múltiplos elos entre organizações
  • Modelo de Katz e Kahn, características da organização como sistema aberto:
  • Importação (entradas), transformação (processamento) e exportação (saída)
  • Sistemas são ciclos de eventos que se repetem
  • Entropia negativa
  • Informação como insumo, retroação negativa e processo de codificacao
  • Estado firme e homeostase dinâmica
  • Diferenciação, multiplicação de funções e especialização
  • Equifinalidade possibilidade de alcançar um mesmo resultado por uma variedade de alternativas (caminhos)
  • Limites ou fronteiras
  • Clima e cultura próprios
  • Dinâmica de sistemas, mecanismos para manter à organização, como  valores, normas, sistemas de recompensas 
  • Eficácia organizacional, capacidade de manter o equilíbrio organizações 
  • Organização como um sistema de papéis 
  • Características das organizações como sistemas sociais
  • Não êm limitação de amplitude
  • Necessitam de entradas de manutenção e de produção
  • Natureza planejada
  • Maior variabilidade 
  • Principais componentes são funções, normas e valores
  • Sistema formalizados de funções
  • Inclusão parcial, uso de conhecimentos e habilidades de pessoas importantes
  • Relação como o meio ambiente, estudo das organizações em relação às transações com o meio -ambiente
  • Modelo sociotécnico de Tavistock
  • Organização é composta por dois subsistemas interdependentes:
  • Técnico (tecnologia): tarefas, instalações, equipamentos, arranjo, tempo e local envolvidos na operação das tarefas
  • Social: pessoas, relações, exigências formais e informais da situação de trabalho, transforma a eficiência potencial em real
  • A organização realiza um processo cíclico de importação, conversão e exportação de produtos ou serviços
  • Teoria da informação: ramo da matemática aplicada que eu te liso cálculo de probabilidade é, buscar medir e calcular a quantidade de informação com base no resultado da física estatística, componentes do sistema de comunicações:
  • Fonte: pessoa, coisa ou processo que emite ou fornece as mensagens por intermédio do sistema
  • Transmissor: processo equipamento que opera a mensagem transmitindo-a da fonte ao canal
  • Canal: equipamento espaço intermediário entre o transmissor e receptor
  • Receptor: processo equipamento que recebe a mensagem do canal e a decodifica
  • Destino: pessoa, coisa ou processo a quem é destinada a mensagem no ponto final do sistema
  • Ruído (interferência): perturbações indesejáveis que tendem a deturpar e alterar de maneira imprevisível as mensagens transmitidas
  • Características da teoria da informação e dos sistemas:
  • Redundância: repetição da mensagem para que sua recepção correta seja mais garantida
  • Entropia: tendência de sistemas isolados, pela perda de energia e ininformacao, à decomposição, exaustão, desorganização, desintegração e morte.
  • Negentropia: processo inverso à entropia no qual o,sistema se abre para se reabastecer de energia e informação do ambiente para manter sua estrutura.
  • Sinergia: trabalho conjunto dos elementos do sistema em que duas ou mais causas atuam conjunto e produzem um efeito maior do que a soma dos efeitos se atuassem isoladamente.
  • Informática: disciplina que lida com tratamento racional e sistemático da informação por meios automáticos
  • Automação: síntese da ultra-mecanização e super racionalização, processamento continuo e controle automático e, ou seja, são sistemas automatizados e autogeridos.
  • Homem Digital: utiliza computador e a internet para efetuar transações com o ambiente

Principais autores

  • Ludwig von Bertalanffy 
 
 
Apreciação crítica
  1. Conforto entre teorias de sistema aberto e fechado
  2. Existência de características básicas: visão sistêmica, dinamismo, multidimensional, multimotivacional, probabilístico, multidisciplinar, descritiva, multivariável, adaptativa
  3. Caráter integrativo é abstrato de sistemas
  4. Efeito sinergístico
  5. Homem funcional: age conforme papéis e expectativas próprias e dos outros sobre esses papéis
  6. Representa uma nova abordagem organizacional
  7. Equilíbrio, ordem e desordem: atualmente se entende que a situação de equilíbrio é uma exceção e que predominam situações de ordem e desordem em organizações

Fichamento Escolas da Administração – Desenvolvimento Organizacional

Conceito

  • Corrente de cientistas sociais e consultores de empresas com foco na aplicação dos conceitos da teoria comportamental (ciências comportamentais), abordam a mudança e o desenvolvimento organizacional planejado e buscam mudar as pessoas, a natureza e a qualidade das relações de trabalho, efatizam a cultura organizacional.

Estrutura

  • Organização: coordenação de diferentes atividades de contribuintes individuais com a finalidade de efetuar transações planejadas com ambiente
  • Cultura organizacional: conjunto hábitos, crenças, valores e tradições, interações e relacionamentos sociais típicos de cada organização, ou seja, São normas informais e não escritas que orientam o comportamento dos membros da organização. 
  • Clima organizacional: meio interno ou atmosfera psicológica característica de cada organização, está ligado ao moral e a satisfação das necessidades do participantes pode ser, quente ou frio, negativo ou positivo, saudável ou doentio, satisfatório ou insatisfatório
  • Mudança: transição de uma situação/estado para outra/outro, implica ruptura, transformação, perturbação, interrupção, fases da mudança:
  • Descongelamento, 
  • Mudança (identificação e internalização)
  • Recongelamento (suporte e reforço)
  • Desenvolvimento: processo lento e gradativo que conduz a realização das potencialidades da organização, permite conhecimento sobre organização, suas possibilidades e sobre o meio ambiente; planejamento das relações com o meio ambiente; estrutura flexível para adaptação; informação a respeito da mudança.
  • Estratégias/tipos de mudança:
  • Revolucionária: contradiz, rompe ou destrói os arranjos do status quo; É rápida, intensa, brutal, transgride e rejeita as antigas expectativas
  • Evolucionária: mudança é pequena e dentro dos limites das expectativas e do status quo; É lenta, suave e não transgride as expectativas daqueles que estão envolvidos ou que são afetados
  • Sistemática: (desenvolvimento sistemático) responsáveis pela mudança delineiam modelos do que a organização deveria ser em comparação com o que é, as pessoas afetadas estudam, avaliam e criticam o modelo de mudança; as mudanças resultantes traduzem-se por apoio compromisso
  • Fases da Organização: as organizações durante sua existência percorre cinco fases distintas, pioneira, expansão, regulamentação, burocratização, reflexibilização
  • Crítica do DO às organizações convencionais: os autores criticam as estruturas organizacionais convencionais, que não estimula a atividade inovador e nem se adaptam as circunstâncias em mudança:
  • Poder da administração frustra e aliena o empregado.
  • A divisão e a fragmentação do trabalho impedem o compromisso emocional do empregado. 
  • Autoridade única ou unidade de comando restringe a comunicação e afeta negativamente o comprometimento da pessoa para qual ganes ação. 
  • As funções permanentes tornam-se fixas e imutáveis
  • O DO envolve:
  • Processo de solução de problemas e conflitos. 
  • Processo de renovação. 
  • Administração participativa. 
  • Desenvolvimento e fortalecimento de equipes. Pesquisa-ação.
  • Pressupostos do DO:
  • Constante rápida mutação do ambiente. 
  • Necessidade de continuar adaptação. 
  • Interação entre indivíduos e organização. 
  • Mudança organizacional deve ser planejada. 
  • A melhoria da eficácia organizacional e do bem-estar organização. 
  • Variedade de modelos estratégias de DO. 
  • O DO é uma resposta às mudanças. 
  • Características do DO:
  • Foco na organização como um todo. 
  • Orientação sistêmica. 
  • Agente de mudança. 
  • Solução de problemas. 
  • Aprendizagem experiêncial. 
  • Retroação. 
  • Orientação contingencial. 
  • Desenvolvimento de equipes. 
  • Enfoque interativo.
  • Objetivos de um programa de DO:
  • Criação de um senso de identidade. 
  • Desenvolvimento do espírito de equipe. 
  • Aprimoramento da percepção comum sobre ambiente para adaptação
  • Processo de DO: A mudança organizacional pode levar anos ou continuar indefinidamente, o processo segue 8 etapas.
  • Decisão da direção da empresa de utilizar o DO. 
  • Diagnóstico inicial. 
  • Coleta de dados. 
  • Retroação de dados e confrontação. 
  • Planejamento da ação e solução de problemas. 
  • Desenvolvimento de equipes. 
  • Desenvolvimento intergrupal. 
  • Avaliação e acompanhamento.
  • As oito etapas da DO podem ser resumidas em três fases distintas:
  • Colheita de dados: etapas de 1 a 4, decisão de utilizar o DO; diagnóstico inicial; colheita de dados; retroação de dados e confrontação
  • Diagnóstico organizacional: etapa 5, identificação dos problemas, conflitos e pontos fracos da organização; planejamento da ação e da solução de problemas.
  • Ação de intervenção: etapas 6 a 8, desenvolvimento de equipes; desenvolvimento intergrupal; avaliação e acompanhamento.
  • Técnicas de DO: O processo de dela pode ser realizado por várias técnicas, sempre com foco na eficácia das pessoas grupos e organização como um todo, principais técnicas.
  • Técnicas de intervenção para indivíduos. 
  • Técnica de intervenção para duas ou mais pessoas (estados do eu; transações)
  • Técnicas de intervenção para criar e desenvolver equipes. 
  • Técnicas de intervenção para organização como um todo.
  • Modelos de DO: existem vários modelos que adota uma variedade de abordagens, conceitos e estratégias.
  • Managerial grid ou do tipo grid: processo de mudança individual para gerar mudança nos níveis interpessoal, grupal é intergrupal, que devem ser solucionados antes das mudanças na estratégia e no ambiente interno da organização
  • Modelo de Lawrence e Lorsch: diagnóstico de ação com base nos conceitos de diferenciação e integração, defrontamentos (intercâmbio de recursos)
  • Teoria 3D da eficácia gerencial de Reddin: A tarefa do administrador é ter eficácia gerencial, estilo gerencial (orientação para tarefa ou relações), habilidades gerenciais básicas (sensitividade situacional, flexibilidade de estilo, destreza de gerência situacional), relação entre eficácia e situação (campos de força).

Principais autores 

  • Lesland Bradford, Warren G Bennis, Edgard Schein, Richard Beckhand, Paul R. Laurence, Jay W. Lorsch, Chris Argyris, Kenneth Benne, Robert R. Blake, Jane S. Mounton, Jack Gibb, Robert Tannenbaum, Irving Weschler, Fred Massarick, W. Warner Burke

Quando

  • 1964

Onde

  • EUA

Análise crítica

  • Embalagem é um conjunto de ideias da teoria comportamental. 
  • Aspecto mágico. 
  • Ênfase na educação emocional. 
  • Aplicações distorcidas. 
  • Imprecisão no campo.

Fichamento Escolas da Administração – Comportamental

Conceito

  • Abordagem das ciências do comportamento sobre organização com ênfase nas pessoas, organizações como sistemas cooperativos, no processo decisório e no contexto organizacional de forma explicativa e descritiva

Estrutura

  • Novas abordagens sobre motivação
  • Hierarquia das necessidades de Maslow: teoria necessidades humanas organizadas em níveis, hierarquia de importância de influenciação: necessidades fisiológicas, necessidade de segurança, necessidades sociais, necessidade de estima, necessidade de autorealização
  • Teoria dos dois fatores de Herzberg: separar os dois fatores que orientam comportamento das pessoas: fatores higiênicos (extrínsecos) fatores motivacionais (intrínsecos)
  • Estilos de administração
  • Teoria X e teoria Y, McGregor: dois estilos opostos e antagônicos de administrar, teoria X – concepção tradicional de administração baseada em convicções errôneas e incorretas sobre o comportamento humano; teoria Y – moderna concepção de administração de acordo com a teoria comportamental, baseia-se em concepções imprimir essas atuais e sem preconceitos a respeito da natureza humana
  • Sistema de administração, Likert: proposição de quatro estilos de administração e de acordo com as circunstâncias e situações, com base em quatro variáveis processo decisório, sistema de comunicação, relacionamento interpessoal e sistema de recompensas e punições
  • Sistema 1: “autoritário coercitivo”, sistema autocrático, forte, coercitivo, arbitrário; controla rigidamente tudo que ocorre dentro da organização
  • Sistema 2: “autoritário benevolente”, constitui uma variação atenuada do sistema 1, mais condescendente e menos rígido
  • Sistema 3: “consultivo”, sistema participativo e menos arbitrário
  • Sistema 4: “participativo”, sistema mais democrático e aberto
  • Processo decisório: a teoria das decisões (Hebert Simon) explicação do comportamento humano nas organizações com base no sistema de decisões
  • Comportamento organizacional: estuda tanto a dinâmica das organizações e como os grupos e indivíduos se comportam dentro delas
  • Teoria do equilíbrio organizacional: equilíbrio organizacional reflete o êxito da organização em remunerar seus participantes e motivá-los a continuar fazendo parte da organização, permitindo com isso sua sobrevivência
  • Teoria da aceitação de autoridade, Barnard: contrapõe à teoria clássica, identificou que, as vezes, a autoridade é inefetiva, as ordens não são cumpridas, a pessoa obedece decidindo entre alternativas de obedecer ou não se a obediência traz as vantagens que deseja ou se a desobediência lhe trás desvantagens que deseja evitar
  • Conflito entre objetivos organizacionais e individuais: existe um inevitável conflito entre o indivíduo e a organização devido a incompatibilidade entre a realização, É possível a integração entre os objetivos pela administração
  • Negociação ou barganha: processo de tomar decisões conjuntas quando as partes envolvidas têm preferências ou interesses diferentes, lados opostos com interesses conflitantes
  • Novas proposições sobre liderança:
  • Liderança transacional: líderes extremamente eficientes em dar às pessoas algo em troca de seu apoio ao trabalho, fazem com que seus seguidores sejam valorizados, apreciados e recompensados
  • Liderança transformadora: líderes preocupados em criar uma visão e que conseguem levar as pessoas em direção a essa visão
  • Estilos de liderança, Likert
  • Autoritário explorador: gerência baseada na punição e no medo
  • Autoritário benevolente: gerência baseada na hierarquia com mais ênfase na “cenoura” do que na “vara”
  • Consultivo: comunicação vertical descendente e ascendente com maioria das pessoas vindas do topo
  • Participativo: processo decisório grupo de trabalho

Principais autores 

  • Herbert Alexander Simon
  • Chester Bernard 
  • Douglas McGregor 
  • Rensis Likert 
  • Chris Argyris 
  • Abraham Maslow
  • Frederirick Herzberg
  • David McClelland

Quando

  • 1947

Onde

  • EUA

Características

  • Oposição a teoria das relações humanas
  • Desdobramento da teoria das relações humanas
  • Crítica teoria clássica
  • Incorporação da sociologia da burocracia

Análise crítica

  • Ênfase nas pessoas
  • Abordagem mais descritiva e menos prescritiva 
  • Profunda reformulação da filosofia administrativa
  • Dimensões bipolares da teoria comportamental
  • Relatividade das teorias da motivação
  • Influência da ciência do comportamento sobre administração
  • Organização como um sistema de decisões
  • Análise organizacional a partir do comportamento
  • Visão tendenciosa

Fichamento Escolas da Administração – Estruturalista

Conceito

  • O estruturalismo visualiza a organização como unidades sociais que procuram atingir objetivos específicos: a sua razão de ser é servir a esses objetivos, inseridas em uma sociedade de organizações (estrutura). Estrutura é uma composição de elementos visualizados em relação a totalidade da qual fazem parte

Estrutura

  • Quatro etapas do processo de desenvolvimento das organizações: natureza, trabalho, capital, organização.
  • Organizações: forma dominante de instituição da sociedade moderna
  • Burocracia: tipo específico de organização, as chamadas organizações formais
  • Organizações complexas: alto grau de complexidade na estrutura e processos devido ao grande tamanho ou a natureza complicada das operações, foco dos estruturalistas
  • Homem organizacional: pessoa que desempenha diferentes papéis em várias organizações
  • Papel: conjunto de comportamentos solicitados a uma pessoa, expectativa de desempenho por parte do grupo social e a consequência internalizar ação dos valores e normas
  • Análise das organizações: os estruturalistas realizaram uma abordagem múltipla e mais ampla sobre as organizações, envolvendo os seguintes aspectos
  • Organizações formal e informal
  • Recompensa salariais e materiais assim como recompensa sociais e simbólicas
  • Todos os diferentes níveis hierárquicos 
  • Todos os diferentes tipos de organizações
  • Análise intra-organizacional e análise Inter-organizacional
  • Tipologia das organizações: taxonomia, classificação das organizações em classes ou tipos.
  • Tipologia de Etzioni: classifica as organizações com base no uso do significado da obediência em três tipos
  • Organizações coercitivas
  • Organizações utilitárias (incentivos econômicos)
  • Organizações normativas (consenso sobre objetivos e métodos, controle moral e motivacionais)
  • Tipologia Blau Scott: tipologia baseada nos beneficiários da organização
  • Associações benefícios mútuos
  • Organizações de interesses comerciais
  • Organizações de serviço
  • Organizações de Estado 
  • Objetivos organizacionais: representam a razão de ser das organizações, é uma imagem do que a organização pretende para o seu futuro, situação desejada organização tenta atingir
  • Funções dos objetivos organizacionais: apresentação de uma situação futura, fonte de legitimidade, padrões, unidade de medida
  • Dois modelos de organização Segundo seus objetivos, Etizione: modelos de sobrevivência, modelos de eficiência (buscam funcionar dentro de padrões de crescente excelência e competitividade)
  • Ambiente organizacional: tudo que envolve externamente uma organização
  • Análise interorganizacional: interdependência das organizações e conjunto organizacional
  • Estratégias organizacionais tendo em vista a ênfase no ambiente e na interdependência entre as organizações:
  • Competição: processo de escolha de objetivo controlado em parte pelo ambiente, envolve a rivalidade e a disputa por recursos entre duas ou mais organizações frente a mediação de um terceiro grupo
  • Ajuste ou negociação: negociações para um acordo quanto a troca de bens ou serviços entre duas ou mais organizações, envolve a decisão sobre o comportamento futuro que seja satisfatório para os envolvidos e envolve também interação direta com as outras organizações do ambiente, terceiro grupo
  • Cooptação ou coopção: processo para absorver novos elementos estranhos, organização traz para dentro de si elementos vindos de outras organizações potencialmente ameaçadoras
  • Coalizão: forma de controle social extremo e de condicionamento ambiental dos objetivos de uma organização. Duas ou mais organizações se combinam para alcançar um objetivo comum, exige compromisso de decisão conjunta de atividades futuras e, assim, limita decisões arbitrárias unilaterais
  • Obs: ajuste, cooptação e coalizão são subtipos da estratégia cooperativa, que requerem a interação direta entre as organizações do ambiente
  • Estratégia no contexto estruturalista: para os autores estruturalistas a estratégia é função da política organizacional, ou seja, o resultado da ação de vários agentes e coalizão eu no sentido de alcançar seus próprios interesses e agendas, no fundo a estratégia permite mapear a estrutura de poder existente na organização
  • As organizações são coalizões de vários indivíduos e grupos de interesse
  • Existem diferenças duradouras entre os membros de colisões em termos de valores, crenças, informações, interesses e percepções da realidade
  • A maior parte das decisões importantes envolve alocação de recursos escassos, quem obtém o quê
  • Recursos escassos e diferenças duradouras dão ao conflito um papel central na dinâmica organizacional e fazendo poder o recurso mais importante da organização
  • Metas e decisões emergem de barganhas, negociações e manobras em busca de posições entre os diferentes interessados
  • Conflito: significa a existência de ideias, sentimentos, atitudes ou interesses antagônicos e colidentes que podem se chocar
  • Conflitos organizacionais para os estruturalistas:
  • discordam de que haja harmonia de interesses entre patrões e empregados, os conflitos, embora nem todos desejáveis, são elementos geradores de mudança inovação nas organizações
  • O propósito da administração deve ser obter a cooperação e sanar conflitos
  • Tipos de conflito
  • Conflito entre autoridade do especialista e autoridade administrativa
  • Dilemas organizacionais
  • Conflito entre linha e assessoria
  • Obs: dilema representa uma situação frente a dois interesses inconciliáveis entre si, o atendimento de um impede o atendimento do outro
  • Sátiras à organização
  • Lei de Parkinson: o trabalho aumenta afim de preencher o tempo disponível para sua execução
  • Princípio de Peter: em uma hierarquia todo empregado tende a subir até chegar ao seu nível de incompetência
  • Dramaturgia administrativa de Thompson: nas organizações existe um forte desequilíbrio entre o direito de decidir e o poder de realizar, para reforçar a posição de autoridade dos administradores eles utilizam mecanismos de defesa da hierarquia:
  • Manipulação do sistema de informações
  • Comportamento da dramatúgico
  • Ideologia administrativa
  • Buropatia
  • Maquiavelismo nas organizações: a nova ciência da administração não é, na verdade, mais do que a continuação da velha arte de governar
  • As tiras de Dilbert

Principais autores 

  • James D. Thompson
  • Victor A. Thompson
  • Amitai Etzione 
  • Peter M. Blau
  • David Sills 
  • Bertoni Clark
  • Jean Viet

Quando

  • 1947

Onde

  • Europa 

Características 

  • Fortemente influenciado pela sociologia

Análise crítica

  • Convergência de várias abordagens divergentes
  • Ampliação da abordagem (estrutura)
  • Dupla tendência teórica
  • Análise organizacional mais ampla
  • Inadequação das tipologias organizacionais
  • Teoria de crise (problemas e patologias)
  • Teoria de transição e de mudança

Fichamento Escolas da Administração – Burocrática

Conceito

  • Organização baseada na racionalidade, adequação dos meios aos objetivos (fins) pretendidos, para garantir eficiência no alcance de seus objetivos

Estrutura

  • Tipos de sociedade/autoridade:
  • Tradicional: características patriarcais de patrimonialistas
  • Carismática: características místicas, arbitrárias e personalísticas
  • Legal, racional ou burocrática: normas impessoais e racionalidade para escolha dos meios e dos fins
  • Obs: legitimidade -> autoridade -> poder -> dominação
  • Fatores para o desenvolvimento da burocracia:
  • Desenvolvimento da economia monetária
  • Crescimento quantitativo e qualitativo das tarefas administrativas do estado moderno
  • Superioridade técnica do modelo em termos de eficiência
  • Racionalidade: adequação dos meios aos fins, eficiência 
  • Burocratas: corpo administrativo da organização que segue regras e servem aos objetivos da organização
  • Dimensões da burocracia: classificação de graus variados de burocratização, com base nos seguintes aspectos:
  • Divisão do trabalho baseado na especialização funcional
  • Hierarquia de autoridade
  • Sistema de regras e regulamentos
  • Formalização das comunicações
  • Impessoalidade no relacionamento entre as pessoas
  • Seleção e promoção baseadas na competência técnica

Principais autores

  • Weber

Quando

  • Tradução dos livros de Weber para o inglês em na década de 1940

Onde

  • Estados Unidos

Características:

  • Características burocracia segundo Weber:
  • Caráter legal das normas e regulamentos
  • Caráter formal das comunicações
  • Caráter racional e divisão do trabalho
  • Impessoalidade nas relações
  • Hierarquia de autoridade
  • Rotinas e procedimentos padronizados
  • Competência técnica e meritocracia
  • Especialização da administração
  • Profissionalização dos participantes
  • Completa previsibilidade do funcionamento
  • Vantagens da burocracia segundo Weber:
  • Racionalidade
  • Precisão na definição do cargo e na operação
  • Rapidez nas decisões
  • Univocidade de interpretação 
  • Uniformidade de rotinas e procedimentos
  • Continuidade da organização 
  • Redução do atrito entre as pessoas
  • Constância
  • Confiabilidade
  • Benefícios para as pessoas na organização
  • Disfunções da burocracia:
  • Internalização das regras e apego aos regulamentos
  • Excesso de formalismo e papelório
  • Resistência as mudanças
  • Despersonalização do relacionamento
  • Categorização como base do processo decisório
  • Super conformidade às rotinas e aos procedimentos
  • Exibição de sinais de autoridade
  • Dificuldade no atendimento a clientes e conflitos com público
  • Apreciação crítica da teoria da burocracia
  • Excessivo racionalismo
  • Mecanicismo e as limitações da teoria máquina
  • Conservantismo da burocracia
  • Abordagem de sistema fechado
  • Abordagem descritiva e explicativa
  • Críticas multivariadas à burocracia: organização informal, comportamento humano, conflito etc
  • Posição da teoria da burocracia dentro da teoria das organizações: se assemelha a teoria clássica e a teoria científica (teoria tradicional: clássica, científica e burocrática)

Fichamento Escolas da Administração – Neoclássica

Conceito

  • Administração como processo de planejar, organizar, dirigir e controlar os recursos organizacionais para o alcance de resultados

Estrutura

  • Eficiência: medida da utilização dos recursos para obtenção de um produto final, custo-benefício, entrada e saída
  • Eficácia: medida do alcance de resultados
  • Organização formal: conjunto de posições funcionais e hierárquicas orientado para o objetivo econômico de produzir bens e serviços
  • Princípios fundamentais da organização formal: divisão do trabalho, especialização, hierarquia, amplitude administrativa
  • Funções do administrador/elementos da administração/processo administrativo: consiste nos elementos planejamento, organização, direção e controle como funções básicas do administrador/Administração
  • Decorrências da teoria neoclássica: tipos de organização, departamentalização, administração por objetivos

Quem

  • Peter Drucker

Quando

  • 1950

Onde

  • EUA 

Características

  • Ênfase na prática de administração
  • Afirmação relativa dos postulados clássicos
  • Ênfase nos princípios gerais de administração
  • Ênfase nos objetivos e nos resultados
  • Ecletismo nos conceitos

Fichamento Escolas da Administração – Relações Humanas

Conceito

  • Teoria que reconheceu a influência do aspecto social nas organizações, pelas conclusões da experiência de Hawthorne.

Estrutura

  • Conclusões da experiência de Hawthorne:
  • O nível de produção é resultante da integração social
  • Comportamento social dos empregados baseado nos grupos informais
  • Comportamento condicionado normas e padrões sociais
  • Reconhecimento dos grupos informais
  • Ênfase nas relações humanas
  • Importância do conteúdo do cargo
  • Ênfase em aspectos emocionais
  • Pontos de vista da teoria das relações humanas (Mayo):
  • Trabalho é uma atividade tipicamente grupal
  • Operários não reagem como indivíduos isolados, mas como membro de um grupo social
  • Tarefa básica da administração é formar uma elite capaz de compreender e de comunicar
  • Importância da habilidade social
  • O ser humano é motivado pela necessidade de estar junto e de ser reconhecido
  • A civilização industrializada traz como consequência desintegração dos grupos
  • Funções básicas da organização
  • Função econômica: produzir bens ou serviços, equilíbrio externo
  • Função social: dar satisfações a seus participantes, equilíbrio interno
  • Dois subsistemas da organização
  • Organização técnica: formal, relacionado a produção de bens ou serviços
  • Organização humana: informal, relacionado a satisfação dos funcionários (sistema de sentimentos, ideias, crenças e expectativas)
  • Homem social: criaturas sociais complexas, motivadas por necessidades, comportamento grupal influenciado pelo estilo de liderança, normas sociais do grupo.
  • Decorrências da teoria das relações humanas: estudos sobre motivação, liderança, comunicação, organização informal, dinâmica de grupos, administração participativa.

Principais autores

  • Elton mayo (1880-1949)
  • Kurt Lewin (1890-1947)

Quando

  • Experiência de Hawtorne (1927-1932)

Onde

  • Estados Unidos da América

Características

  • Trata a organização como um grupo de pessoas
  • Enfatiza as pessoas
  • Inspirada em sistemas de psicologia
  • Delegação de autoridade
  • Autonomia do empregado
  • Confiança e abertura
  • Ênfase nas relações entre as pessoas
  • Confiança nas pessoas
  • Dinâmica grupal e interpessoal

Críticas

  1. Oposição cerrada à teoria clássica
  2. Inadequada visualização dos problemas e relações industriais
  3. Concepção ingênua e romântica do operário
  4. Limitação do campo experimental
  5. Parcialidade das conclusões
  6. Ênfase nos grupos informais
  7. Enfoque manipulativo das relações humanas

Fichamento Escolas da Administração – Científica

Conceito

  • Estudo científico (método) da administração para aumentar a eficiência da indústria por meio da racionalização do trabalho do operário

Estrutura

  • Organização racional do trabalho: substituição de métodos empíricos e rudimentares pelos métodos científicos de produção:
  • Análise do Trabalho e estudo dos tempos e movimentos
  • Estudo da fadiga humana
  • Divisão do trabalho especialização do operário
  • Desenho de cargos e tarefas
  • Incentivos salariais e prêmios de produção
  • Conceito de homo economicus
  • Condições ambientais de trabalho
  • Padronização
  • Desenho de cargos e tarefas
  • Tarefa: menor unidade possível dentro da divisão do trabalho de uma organização
  • Cargo: conjunto de tarefas repetidas
  • Desenho de cargos: especificação do conteúdo (tarefas), métodos e relações
  • homo economicus: homem econômico, pessoa influenciada exclusivamente por recompensas salariais, econômicas e materiais
  • Princípios da administração científica de Taylor: planejamento, preparo, controle e execução
  • Princípios básicos de Ford: intensificação, economicidade, produtividade
  • Produção em massa: simplicidade e linha de produção
  • Princípio da exceção: sistema de controle simples baseado na verificação das exceções ou desvios dos padrões normais
  • Principais aspectos da administração científica:
  • Estudo dos tempos e movimentos
  • Determinação do método de trabalho (the best way)
  • Seleção científica do trabalho do
  • Lei da fadiga
  • Padrão de produção
  • Supervisão funcional
  • Condições ambientais de trabalho
  • Máxima eficiência
  • Maiores lucros e maiores salários
  • Produtividade: relação entre quantidade de produto obtido e a quantidade do fator necessário para sua obtenção (dispêndio de trabalho)

Principais autores

  • Taylor 1856-1915
  • Emerson 1853-1931
  • Ford 1863-1947

Quando

  • Segunda década do século XX

Onde

  • Estados Unidos

Finalidade

  • Princípio da máxima prosperidade:  máxima prosperidade para o patrão acompanhada da máxima prosperidade para empregado

Características

  • Método científico
  • Redução de desperdício
  • Redução de custos de produção
  • Seleção científica de funcionários
  • Condições físicas de trabalho
  • Treinamento de funcionários
  • Estabilidade das relações de trabalho
  • Método cartesiano

Análise crítica

  • Mecanicismo
  • Super especialização do operário
  • Visão microscópica do homem
  • Falta de comprovação científica
  • Abordagem completa
  • Limitação do campo de aplicação
  • Abordagem prescritiva e normativa
  • Abordagem de sistema fechado

Fichamento Escolas da Administração – Clássica

Conceito

  • Estudo científico (método) da administração com ênfase na estrutura da organização para alcançar eficiência

Estrutura

  • Funções básicas da empresa: técnicas, comerciais, financeiras, segurança, contábil, administrativas
  • Conceito de administração (elementos/funções da administração) e : prever, organizar, comandar, coordenar, e controlar.
  • Princípios gerais de administração para Fayol:
  • Divisão do trabalho: o de tarefas de pessoas para aumentar a eficiência
  • Autoridade e responsabilidade: poder de dar ordens esperar obediência
  • Disciplina: obediência e respeito aos acordos estabelecidos
  • Unidade de comando: cada empregado recebe ordens de apenas um superior (autoridade única)
  • Unidade de direção: um plano para cada conjunto de atividades que tem o mesmo objetivo
  • Subordinação dos interesses individuais aos gerais: interesse da empresa sobrepõe interesses particulares
  • Remuneração do pessoal: justa e garantida satisfação em termos de retribuição
  • Centralização: concentração da autoridade do topo da hierarquia
  • Cadeia escalar: linha de autoridade do escalão mais alto ao mais baixo seguindo o princípio do comando 
  • Ordem: um lugar para cada coisa e cada coisa em seu lugar
  • Equidade: amabilidade justiça para lealdade do pessoal
  • Estabilidade do pessoal: a rotatividade é prejudicial, quanto mais tempo a pessoa no cargo melhor para empresa
  • Espírito de equipe: harmonia e união entre as pessoas
  • Conceito de assessoria (staffing): preparar e treinar o pessoal e manter condições favoráveis de trabalho
  • Conceito de coordenação: reunião, unificação e harmonização de toda atividade organizacional

Principais autores

  • Fayol (1841-1925), Urwick (1891-1983), Gulick (1892-1993)

Quando e onde

  • Europa segunda década do século XX

Contexto

  • Era industrial
  • Estabilidade
  • Previsibilidade
  • Conservantismo
  • Rotina
  • Especialização 
  • Método cartesiano

Características

  • Administração como ciência
  • Teoria da organização: a preocupação com estrutura, forma e disposição das partes que constituem organização, assim como o interrelacionamento entre as partes
  • Divisão do trabalho especialização: vertical e horizontal
  • Coordenação: reunião, unificação e harmonização de toda atividade
  • Comparação com a teoria das relações humanas:
  • Tratar a organização como máquina
  • Enfatiza as tarefas ou a tecnologia
  • Inspirada em sistemas de engenharia
  • Autoridade centralizada
  • Linhas claras de autoridade
  • Especialização e competência técnica
  • Acentuada divisão do trabalho
  • Confiança nas regras e nos regulamentos
  • Clara separação entre linha e staff 

Avaliação/crítica

  • Abordagem simplificada
  • Extremo racionalismo
  • Ausência de trabalhos experimentais
  • Teoria da máquina
  • Abordagem incompleta da organização
  • Abordagem de sistema fechado